Qual é o seu melhor presente de natal?

Talvez o natal deveria ser uma das festas mais alegres do ano. E talvez a seja, pelo menos para a maioria. Mas existe uma minoria muitas vezes esquecida. É claro que, em se tratando de humanidade, nada nunca será unânime. Nem mesmo aquele que a priori está por detrás do “espírito natalino”, que é Jesus, foi unanimidade.

Não preciso descrever a origem do natal aqui para você, nem rebater alguns mitos e inverdades. Isso você poderá fazer dando um google, se curioso você for.

Vou tentar descrever mais a experiência subjetiva e é bem verdade que os sentimentos nessa época do ano são bem confusos. Eu mesmo já gostei do natal, em uma época da minha vida já odiei o natal e hoje tento nem não gostar e nem não odiar.

Como assim? É justamente isso! Esse misto de emoções, juntas, é que eu percebo estar por trás do natal.

Enquanto que muitas pessoas exacerbam alegrias, felicidades, conquistas, união, paz e amor; outras, sentem-se sozinhas, solitárias, vazias, dependentes, desprezadas, esquecidas. Não sei qual é a tua experiência, se você puder comentar, ótimo! Independente se alegre ou triste...

Bom, então a maioria das pessoas parece estar feliz nessa época. Parecer muitas vezes não é ser. Principalmente no contexto de reunião familiar ou de grupos sociais. Partindo desse contexto, podemos listar alguns tipos de pessoas aqui:

1- O primeiro tipo é aquele que é realmente feliz, ou sente-se confortável e vê de maneira positiva, pois realmente é uma expressão daquilo é. A felicidade faz parte, é uma pessoa autêntica e no natal celebra o fechamento do ano. O que é muito simbólico. Esse tipo de pessoa, gosta de compartilhar com a família e amigos as suas alegrias, conquistas e toda sua evolução.

“Esse tipo de pessoa existe?” Alguns perguntarão... eu creio que sim.

2- O segundo tipo de pessoa é aquele que procurou de alguma maneira ser feliz, encontrar alguma satisfação e até encontrou, mas parece que os insucessos foram maiores, parece que os Golias venceram mais. Porém, mesmo assim, ao final do ano, tenta, de maneira positiva, enxergar aquilo que conquistou e aproveitar para aprender com os desafios não superados. Então no natal, esse tipo de pessoa aproveita para reunir-se com os amigos e família e tentar esquecer os desafios não superados e procurar alguma força nesse ambiente tão familiar para encarar o próximo ano com mais garra e mais força.

3- O terceiro tipo de pessoa é aquele tipo que não percebeu o ano como se ele fosse um tempo perdido. Apenas derrotas, nada de aprendido. Muito pelo contrário, apenas prejuízo. Pode até ter tido alguma vitória, alguma conquista, alguma evolução, porém não as reconhece e saboreia mais o amargo das estagnações do que o doce das evoluções. Quando chega o natal, a reunião com os amigos e família, apenas reclama e diz como o ano foi difícil e está ali, “beber-morando” (ou “comer-morando” mesmo) no natal, como uma maneira de entorpecimento das frustrações. Porém não se apropria do ambiente familiar para recarregar as suas energias, pelo contrário, apenas reafirma a sua visão de mundo e olha apenas o negativo, concentra o seu olhar nos defeitos, nas falhas e nas faltas daqueles que muitas vezes passaram a maior parte do tempo de sua vida ali, independente de acertos ou erros, estavam ali, ao lado.

4- tem o quarto tipo de pessoa também, esse tipo não enxerga sentido nas coisas. Nada faz sentido. Em vez de ser verde e vermelho, é tudo cinzento. Toda a ceia não tem sabor. Nada o satisfaz. Aqui, não existe nem ódio, nem amor. O que existe aqui é simplesmente um vazio. Talvez, alguns percebam uma indiferença. Talvez seja, talvez não seja. O certo é que não existe uma avaliação, existe apenas uma questão: “por que eu não sinto nada?”. Esse tipo de pessoa, às vezes até chega a ir nas reuniões, mas estão apenas de corpo presente, pois a mente está longe. Longe, não por estar em outro lugar, mas por estar em lugar algum.

A grosso modo, pude relatar e resumir esses tipos de experiências no natal, mas é claro que existem inúmeras possibilidades de combinações. Qual seria a sua? Se é que se pode encaixar o homem e sua experiência em algum padrão...

Independente da sua experiência – e eu só listei essas quatro, pois são as que parece eu me encontrei em algum momento da minha vida – queria deixar uma mensagem para você que é: você não está só.

Por mais que o mundo sinalize isso, por mais que as pessoas sinalizem isso, sempre terá alguém por você e para você. Não se limite em função das experiências passadas, pois viver no presente com as rédeas do passado é apenas limitar o presente em detrimento do passado. O presente é feito de possibilidades que muitas vezes são reduzidas ao passado. Viva o presente no presente, com o presente e pelo presente.

O presente é o único momento a ser vivido e que muitas vezes tem deixado de ser vívido por conta daquilo que já passou e que não é mais. Porém muitas pessoas têm dificuldades e deixam o que não é mais ter controle sobre aquilo que é, e aquilo que poderá ser, será apenas aquilo que não é mais.  

A experiência presente é frustrada em suas possibilidades pelas fatalidades do passado. Por isso, viva o presente. E o natal que é recheado por troca de presentes, talvez possibilite a você trocar o seu tempo presente com o tempo presente de alguém. Esse tipo de experiência esvazia a solidão. É a solução definitiva para a solidão? Não sei, talvez não. Mas com certeza é a solução presente e momentânea para a solidão. E o que é a vida senão uma coletânea de momentos? Por isso, por que não viver o momentâneo na certeza de que poderá ser eterno?

A solidão tem sido eterna para algumas pessoas pois os seus momentâneos têm sido solitários. No natal aproveite os presentes que são os tempos presentes das pessoas para superar a sua solidão.

Eu sei que existe uma pessoa que disse que estaria comigo todos os dias da minha, mesmo se a minha mãe esquecesse de mim, esta pessoa é o mestre nazareno Jesus Cristo. Ele foi o motivo por eu ter escrito esse texto, foi ele que me disse ainda pouco: estarei sempre contigo.

A origem do natal, a priori, é Jesus Cristo. Porém ele fica a posteriori para muitas pessoas e para tantas outras nem aparece. Mas foi ele quem disse para viver o dia, viver o presente. Viva o presente, pois ele é presente, ele é o melhor presente de natal!  

Leave a Reply